Apoie em vez de criticar

Em tecnologia, especialmente em informática, uma das coisas que mais me irritam são os fanboys e haters. Sejam fanboys da Apple, haters do Windows e por ai fora. Existem alternativas para todos os gostos e feitios e não há necessidade de tanto ruído.

Irrita-me ainda mais ver isso dentro da comunidade Linux. Uns porque adoram uma distribuição, teimam em fazer birrinhas com as outras distribuições em vez de caminharem todos no mesmo sentido.

É certo que todos temos coisas que gostamos mais e outras que gostamos menos. Até é normal que se critique determinada situação. O que não é normal é andar sempre a “deitar abaixo” determinada distribuição ou sistema operativo só para valorizar outro.

Pessoalmente, eu nem sei bem o que é isso de melhor distribuição Linux. Para mim, é aquela que melhor compatibilidade tem com a minha maquina e meus gostos (mesmo assim ainda não tenho uma distribuição fixa). Mas o que é melhor para a minha máquina não será para outras. Não existem sistemas perfeitos e nem distribuições Linux perfeitas. Existem aquelas que melhor se adequam a nós e as que nós melhor nos adaptamos.

Por isso tenho dificuldade em entender:

  • As criticas à Debian por ser conservadora. É uma distribuição vocacionada para a estabilidade e funcionalidade e por isso tem essa opção.  Além demais, além do Debian Stable existem o Testing e Unstable que são opções menos conservadoras.
  • O ódio ao Ubuntu por o Unity ser pesado. Se é um DE mais moderno e com novas ferramentas é lógico que consuma mais recursos. Além demais, a família Ubuntu tem outras opções mais leves.
  • Que se critique o Ubuntu devido aos PPA’s. No fundo são uma boa forma para se conseguir, de forma fácil e cómoda, software que não consta nos repositórios da distribuição. Agora depende do uso que você der. Se você decidir usar PPA’s com software instável é uma opção sua. Se não gostar de PPA’s nem é obrigado a usar, pois não faltam formas de instalar software em Linux.
  • A birra com Fedora ou openSUSE ou outras distros por serem RPM based e não tão user friendly quanto as baseadas no Ubuntu. Elas até não são tão complicadas. O que acontece é que todo o sistema tem as suas particularidades e é uma questão de aprender e adaptar-se.
  • Que se critique Arch Linux por ser difícil. Certo que obriga a saber mais algumas coisas que outras distribuições, mas aquilo que mencionei para Fedora e openSUSE aplica-se também para o Arch Linux. Faz tudo parte de um processo de aprendizagem que é preciso para qualquer que seja o sistema E sempre pode optar por distribuições baseadas em Arch mais fáceis de usar, como o Manjaro, Antergos e ArcoLinux.

Mas este não é um problema exclusivo aos sistemas operativos e distribuições Linux. Isto também  acontece nas aplicações. Esquecendo que estão a colocar em causa o trabalho de muita gente que contribui gratuitamente com o seu tempo e conhecimento nestas aplicações e distribuições Linux.

Portanto. Se gostam de determinada distribuição Linux ou aplicação, apoiem (divulgando, contribuindo com donativos, colaborando) em vez de perderem tempo a criticarem. Com esse apoio irão quase de certeza conseguir melhor distribuições Linux e aplicações. E no fim do dia irão se sentir melhor com vocês.

5 comentários em “Apoie em vez de criticar”

  1. Boa noite há muito que falamos isso, subscrevemos na totalidade este texto, para falar de Linux não é necessariamente obrigatório falar de outros sistemas, nós habitualmente nem sequer fazemos comparações, pensamos que cada distribuição tem o seu alvo, o seu objectivo, cada utilizador deve sempre escolher aquela que mais satisfaz quer no quesito de conhecimento, necessidades ou requisitos do seu computador.
    O mais fácil, o mais bonito, bom isso é muito subjectivo, o conceito de beleza depende da nossa personalidade, o mais fácil dos nossos conhecimentos.

  2. Esta coisa de fan boys tem muito que se lhe diga, eu digo sempre que existe mercado suficiente para todos os sistemas e mais algum, o que se deve fazer sim é divulgar. E depois cada um que escolha.

Responder a Luis Filipe Teixeira Cancelar resposta